quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

CULTURA | Cinco Mulheres Distinguidas | V PNI





«V PLANO NACIONAL PARA A IGUALDADE DE GÉNERO, CIDADANIA E NÃO-DISCRIMINAÇÃO 2014-2017» 

 Atribuição da Distinção «Mulheres Criadoras de Cultura» 2014

Teatro Nacional de São Carlos


Esta distinção, que vai na segunda edição, pretende reconhecer “mulheres que se têm notabilizado em vários domínios da produção cultural em Portugal”, no âmbito do Plano Nacional para a Igualdade  de Género, Cidadania e Não - Discriminação. Tem também como objetivo garantir “uma visibilidade equilibrada entre mulheres e homens, isenta de estereótipos ou de preconceitos”. +.


A S   D I S T I N G U I D A S
____________________________________________________________



Alexandra Moura

ALEXANDRA MOURA


Natural de Lisboa, onde nasceu em 1973, forma-se no IADE, especializando-se posteriormente em Projectos de Design de Moda. Entre as suas participações em diversos acontecimentos de moda, das Manobras de Maio ao Portugal Fashion 97, com passagens pelas Mostras de Jovens Criadores, representando Portugal na 1a. Bienal de Jovens Criadores dos Paises Lusófonos, Alexandra Moura colabora nos gabinetes de design de Ana Salazar e José António Tenente.Em 2000 é convidada pela OPTIMUS para apresentar a sua primeira colecção a solo, iniciativa que repete com a apresentação da sua colecção Inverno 01. Em Abril de 2002 apresenta colecção Inverno 02 no Espaço LAB da 18ª edição ModaLisboa e a partir de Outubro passa a apresentar regularmente as suas colecções na ModaLisboa - LisboaFashionWeek.    Continue a ler.  E,  no site da designer de moda, veja do que criou. 




Danuta Wojciechowska

DANUTA  WOJCIECHOWSKA

Nasceu no Québec, Canadá, em 1960. É formada em Design de Comunicação em Zurique e em Educação pela Arte em Inglaterra. Vive e trabalha em Lisboa desde 1984, onde dirige o atelier Lupa Design. Dinamiza oficinas de ilustração para adultos, jovens e crianças que promovem a criatividade e a literacia visual ligado ao livro infantil. Recebeu o Prémio Nacional de Ilustração de 2003. Em 2004 foi a candidata portuguesa ao Prémio Hans Christian Andersen e recebeu o prémio para o melhor livro ilustrado da FIBDA. No mesmo ano as suas ilustrações foram seleccionadas para a exposição internacional da Feira do Livro para Crianças de Bolonha. Em 2008/09 participou na exposição de ilustração portuguesa “ilustrações.pt”. Daqui. E, por exemplo, neste endereço, imagens da Ilustradora. E muitas mais no Lupa Design.



Glória de Matos

GLÓRIA DE MATOS

Nasceu a 30 de Maio de 1936. É nos inícios da década de 1950 que se interessa pelo teatro. No final dessa década ingressa no grupo dirigido por Fernando Amado no Centro Nacional de Cultura, onde se estreia na peça "Os 25 anos da Morte de Fernando Pessoa". Com Fernando Amado funda a Casa da Comédia, onde permanece até 1963. Neste ano, através de uma bolsa concedida pela Fundação Calouste Gulbenkian parte para o Reino Unido onde irá frequentar a Old Vic School. Em 1965, regressa a Portugal, onde continua a fazer trabalho de Raul Solnado, depois na Companhia Portuguesa de Comediantes. De 1968 a 1970 fez parte do elenco do Teatro Nacional D. Maria II. É professora, desde 1971, na Escola de Teatro do Conservatório Nacional. Continue a ler. E saiba mais neste video. E, por exemplo, aqui do trabalho da actriz no cinema. E sobre uma das muitas peças em participou, A Mais Velha Profissão, no site do TNDMII. E  recordar, em especial, dos anos 70: galvanizou «público e crítica na peça ‘Quem tem Medo de Virgínia Woolf', de Albee, no Teatro Monumental em Lisboa, encenado pelo grande João Vieira, e numa interpretação magistral e premiada com o Troféu da Imprensa». 


Graça Morais

GRAÇA MORAIS

Graça Morais nasce a 17 Março de 1948, em Vieiro, Trás-os-Montes, no Nordeste de Portugal. Filha de Alda Pinto e Jaime Morais, seria a segunda de seis filhos. Frequenta a escola primária de Vieiro e desse tempo diz: “Estudávamos todos juntos, e tenho ideia de uma grande confusão de coisas, a geografia e a gramática, a tabuada e a história. Eu desenhava. Cerejas, uma chávena e um bule que havia lá em casa.” (Graça Morais, 1984).
Entre 1957/58 vive em Moçambique, e “Foi lá que o meu pai me deu a minha primeira caixa de aguarelas.” (Graça Morais,1984). Continue a ler no site do Centro de Arte Contemporânea Graça Morais. E no blogue Graça Morais podemos saber da sua obra. De facto, lá está escrito: «Este espaço pretende dar a conhecer a artista plástica Graça Morais por meio da pintura, de pequenos excertos de filmes, entrevistas. Aqui estará presente um expressivo número de obras de um dos maiores nomes da pintura portuguesa actual».




Teresa Villaverde

TERESA VILLAVERDE

Nasceu a 18 de Maio de 1966. Autora de cinco longas-metragens, Teresa Villaverde pertence à geração de cineastas portugueses surgidos nos anos 90. O seu primeiro filme, A Idade Maior de 1989, teve estreia mundial no Forum do Jovem Cinema do Festival de Berlim e foi premiado em Dunquerque, França (Prémio Melhor Actriz e Prémio CICAE), e Valência, Espanha (Prémio Especial do Júri). Foi estreado nos cinemas em Portugal, na Holanda, Grã-Bretanha, Japão e Estados Unidos. Três anos mais tarde, Três Irmãos obteve o Prémio para a Melhor Actriz no Festival de Veneza (para Maria de Medeiros), prémio que se repetiria nos festivais de Cancun (México) e Valência (Espanha) onde o filme seria distinguido também com os prémios para a melhor realização e melhor fotografia. Continue a ler. E saiba mais, por exemplo,  nesta entrevista a Anabela Mota Ribeiro. E o trailede um dos seus filmes: «Os Mutantes».


____________________________________________________


P A R A B É N S  !




Sem comentários:

Publicar um comentário