sexta-feira, 24 de maio de 2019

FILME | «Alma Clandestina»





«“Pesadelo é sinónimo de medo, e eu não vou viver com medo.” Assim falava Maria Auxiliadora Lara Barcellos (1945-1976), Dorinha ou Dodora para os íntimos, mineira, estudante de Medicina, idealista, resistente contra a ditadura militar, contemporânea de Dilma Rousseff na clandestinidade, mulher “forte e valente”, sempre alegre. Banida do Brasil, exilada primeiro no Chile, depois no México, na Bélgica, em França e finalmente na Alemanha, Dorinha suicidou-se atirando-se para a frente de uma carruagem do metro de Berlim. Tinha 31 anos. 
Inspirado num projecto teatral de Jorge Melo, e recorrendo a imagens de arquivo e entrevistas originais contemporâneas a amigos e familiares sobreviventes, o português radicado no Brasil José Barahona ("Estive em Lisboa e Lembrei de Você") constrói uma “fantasia biográfica” ancorada na vida de Dorinha, cujas cartas e textos são lidos pela actriz Sara Antunes num palco onde são igualmente projectados documentos, imagens e arquivos de época. Jorge Mourinha, PÚBLICO







«Inteligência artificial promove estereótipo da mulher submissa»




A notícia (da TSF) assenta no Relatório a que nos referimos aqui, e começa assim:

«Siri (da Apple), Alexa (da Amazon) e Cortana (da Microsoft) são nomes femininos para a assistência digital que perpetuam os estereótipos sexistas. Segundo a UNESCO, as vozes femininas, apesar da sua utilidade, perpetuam a ideia de que "as mulheres são prestáveis, dóceis e desejosas por agradar, disponíveis através de um simples clique num botão ou com um comando de voz", revela o relatório apresentado pela organização .
A "sua passividade, sobretudo quando há um abuso explícito, reforça narrativas sexistas", refere o estudo "I"d Blush If I Could" (Eu coraria, se pudesse), a resposta que a Siri fornecia quando os utilizadores lhe dirigiam um "You"re a slut" (comentário usado para denegrir o comportamento sexual de uma mulher).
Aliás, no caso de lhe ser dirigido um comentário explícito, a Siri não replica com assertividade: "Oh"; "Agora, agora"; "Eu corava se pudesse"; "A tua linguagem!". No entanto, se estas investidas forem feitas por mulheres, a Siri responde: "Isso não é simpático" ou "Eu não sou ESSE tipo de assistente pessoal".
Apesar de ser difícil quantificar esta tipologia de discurso, a UNESCO prevê que pelo menos cinco por cento das interações com as assistentes digitais sejam explicitamente sexuais.(...)». Continue a ler.


quinta-feira, 23 de maio de 2019

PRÉMIO CAMÕES PARA CHICO BUARQUE | Bom momento para o ouvirmos assumidamente «feminista»












«I'd blush if I could / CLOSING GENDER DIVIDES IN DIGITAL SKILLS THROUGH EDUCATION»




«(...)Today, women and girls are 25 per cent less likely than men to know how to leverage digital technology for basic purposes, 4 times less likely to know how to programme computers and 13 times less likely to file for a technology patent. At a moment when every sector is becoming a technology sector, these gaps should make policy-makers, educators and everyday citizens ‘blush’ in alarm. (...)».

 Sobre o Relatório na  MIT Technology Review: veja aqui




segunda-feira, 20 de maio de 2019

«A Mulher na Sociedade e na Igreja»




TATE |«Van Gogh - Challenging the 'Tortured Genius' Myth»





«This video contains language used by Van Gogh to describe his mental health. The way we speak about mental health has progressed since then and is always developing the more we understand.
This video was produced in collaboration with Mind, a charity that supports those with mental health problems.
If you are affected by the content of this video please visit Mind's resources page for more information and support».





sexta-feira, 17 de maio de 2019

18 MAIO | DIA /NOITE INTERNACIONAL DOS MUSEUS | «Os Museus como Centros Culturais : o futuro da tradição» | PAULA MASSANO VAI SER RECORDADA NO MUSEU DO TEATRO E DA DANÇA




DO SITE DO ICOM:
«Sendo estas instituições cada vez mais centros culturais ou de cultura, estão também a encontrar novas maneiras de honrar as suas colecções, as suas histórias e os seus legados, criando tradições que terão novo significado para as futuras gerações e relevância para um público contemporâneo cada vez mais diversificado ao nível global . Essa transformação, que terá um profundo impacto na teoria e na prática dos museus, também nos obriga a repensar o valor dos museus e a questionar as fronteiras éticas que definem a própria natureza de nosso trabalho como profissionais de museus.
Ao mesmo tempo, um ponto focal para a comunidade e parte integrante de uma rede global, os museus oferecem uma plataforma para traduzir as necessidades e pontos de vista das comunidades locais num contexto global.
Como sempre, o ICOM Portugal, procura promover e suscitar o interesse dos seus membros a divulgar as informações através dos canais que tem ao seu dispor.
Assim sendo recomendamos a todos os museus e profissionais de museus a divulgação das iniciativas que programaram para o DIM 2019 e para a Noite dos Museus através da página que o ICOM Internacional dedica à divulgação de actividades no âmbito do Dia Internacional dos Museus». Continue a ler e veja a programação.
De entre o muito que se poderá escolher para o DIA e NOITE dos MUSEUS, uma das nossas escolhas:  



E queremos assinalar às 11:00H a «Evocação de Paula Massano enquanto coreógrafa e doadora deste Museu». Aqui, pela DGARTES,  associamo-nos  naturalmente ao momento  que recorda a artista mas lembramos também  a colega de quem temos saudades. Recuperemos post anterior:  

EM MEMÓRIA DA PAULA MASSANO





HOJE | 17 MAIO | Assinala-se o Dia Internacional contra a Homofobia e a Transfobia


Leia aqui

quinta-feira, 16 de maio de 2019

ACONTECEU | «1.ª Grande Conferência / Liderança Feminina» | PORTO



Leia aqui
Excerto:
«As questões ligadas à diversidade de género na liderança das organizações “são assuntos que ainda não estão resolvidos”, o que justifica a necessidade de ainda se realizarem conferências de liderança feminina como a que encheu o Auditório Sonae da Porto Business School, na passada quinta-feira, 9 de maio. Foi desta forma que Ramon O’ Callaghan, dean daquela instituição de ensino, deu as boas-vindas à audiência que não quis perder mais uma organização da Executiva, a primeira realizada na Invicta e que contou com o apoio da PwC, Castelbel, Parfois, Sonae MC, Natixis, Nors  e Porto Business School.
“Num mundo de negócios que se define pela complexidade, disruptividade e mudança, observo que as empresas mais bem sucedidas são aquelas que trazem perspectivas diferentes e experiência a cada novo desafio. Para além de serem aquilo que deve ser feito, a diversidade e inclusão também oferecem vantagens às empresas, especialmente ao nível da liderança. Por isso é tão importante que olhem para os desafios que as mulheres enfrentam e possam abrir caminho para que líderes femininas dinâmicas e talentosas possam chegar ao topo”, defendeu o dean da PBS.
Antes, Isabel Canha, diretora e co-fundadora da Executiva, abriu a sessão referindo como as universidades têm sido os locais privilegiados para a realização da Grande Conferência Liderança Feminina, por serem “espaços de inovação, conhecimento, criatividade, onde se preparam os líderes do futuro”, onde desde logo o tema deve começar a ser pensado. “Diversos estudos referem a importância dos role models, que para as mulheres existem de forma muito mais escassa. Na Executiva, acreditamos que eles ajudam a  progressão profissional das mulheres. Para nós este não é um tema apenas de mulheres, mas também de homens, das empresas e sociedade em geral.” (...)». Continue a ler.



«Working conditions in a global perspective»




quarta-feira, 15 de maio de 2019

EEA GRANTS | Prolongamento do Prazo dos Concursos do «Programa Conciliação e Igualdade de Género»





Veja mais

Prolongamento de prazos dos concursos EEA GRANTS

No âmbito do Programa Conciliação e Igualdade de Género foram prolongados os prazos para entrega de candidaturas:
Open Call#1 – Sistemas de avaliação das componentes das funções e instrumentos de análise das desigualdades entre mulheres e homens nas organizações de trabalho: prazo prolongado até 23 de maio de 2019.  Open Call#4 – Projetos para melhorar a proteção das vítimas de violência contra as mulheres e violência doméstica: prazo prolongado até 30 de maio de 2019.Small Grant Scheme#2 – Projetos de prevenção e estratégias de apoio a crianças e jovens na área da violência contra as mulheres e a violência doméstica: prazo prolongado até 30 de maio de 2019 .|Open Call#5 – Projetos para a promoção da igualdade entre mulheres e homens ao nível local: prazo prolongado até 31 de maio de 2019.|Small Grant Scheme#1 – Elaboração de estudos que analisem o impacto económico das desigualdades entre mulheres e homens: prazo prolongado até 31 de maio de 2019.

DOS OUTROS | «ANZAC Day»



Leia aqui

terça-feira, 14 de maio de 2019

CHODERLOS DE LACLOS | «Da Educação das Mulheres»






No final do século XVIII, a questão da educação das mulheres só pode ter, segundo Choderlos de Laclos, uma única resposta: «Onde existe escravatura, não pode haver educação: em todas as sociedades as mulheres são escravas; portanto, a mulher social não é susceptível de educação.» Da Educação das Mulheres (1783), a obra inacabada do polémico autor de As Ligações Perigosas, tem a ousadia de defender, muito antes de a história lhe dar razão, que apenas uma revolução preconizada pelas próprias mulheres é capaz de alterar a situação em que se encontravam. Choderlos de Laclos interessa-se pela libertação feminina até ao fim da sua vida, defendendo a igualdade entre os sexos e invocando com fervor a «mulher natural», «ser livre e poderoso». +.

«OIT debate inclusão de jovens em postos de trabalho do futuro»

Leia na ONU Brasil
Excerto:
«(...) “Os jovens hoje em dia têm que estar mais bem preparados, sobretudo porque estamos na quarta revolução industrial, na qual muitos empregos serão substituídos pela inteligência artificial. Mas ao mesmo tempo, serão gerados muitíssimos outros empregos”, ressaltou durante o painel da OIT a jovem liderança para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), Victoria Alonsoperez.
O relatório mais recente da Comissão Global sobre o Futuro do Trabalho, de janeiro deste ano, aponta que dois terços dos empregos em países em desenvolvimento são suscetíveis à automação no futuro. Um diagnóstico de 2017 do Instituto Global McKinsey estima que cerca de 60% de todas as ocupações têm pelo menos um terço de suas atividades passíveis de serem automatizadas.
Contudo, a adoção de novas tecnologias e modelos produtivos permitirá a geração de emprego em outras áreas. A OIT calculou, por exemplo, o impacto do cumprimento do Acordo de Paris sobre Mudanças Climáticas no mundo trabalho. O tratado prevê uma transição ampla para economias de baixo carbono, com diminuição do uso de combustíveis fósseis — o objetivo é limitar a 2ºC o aquecimento médio do planeta até 2100. De acordo com a OIT, a implementação do Acordo levaria a uma perda de 6 milhões de empregos, mas geraria outros 24 milhões de postos. (..)».





segunda-feira, 13 de maio de 2019

O LIVRO QUE LEVOU NATÁLIA AO TRIBUNAL | «Antologia de Poesia Portuguesa Erótica e Satírica»






«Depois de ver sucessivos livros seus apreendidos pela Censura do Estado Novo, Natália Correia aceitou o convite do visionário editor da Afrodite, Fernando Ribeiro de Mello, para organizar esta Antologia de Poesia Portuguesa Erótica e Satírica. «Finalmente num único livro», prometia a cinta que acompanhava o volume, publicado em dezembro de 1965, «a poesia maldita dos nossos poetas», «as cantigas medievais em linguagem atualizada», «dezenas de inéditos» e «a revelação do erotismo de Fernando Pessoa». A obra causou escândalo e foi apreendida pela PIDE, com vários dos intervenientes julgados e condenados em Tribunal Plenário, num processo que se arrastou durante anos. É agora republicada pela primeira vez com as ilustrações originais de Cruzeiro Seixas, incluindo também novos textos introdutórios e reproduções de documentos que contextualizam um marco histórico na edição em Portugal». +.

________________

Sobre a obra, no Semanário EXPRESSO /Revista E desta semana o trabalho de José Mário Silva «O livro que levou Natália ao tribunal». Pode ser lido aqui. Começa assim: 

«Uns meses antes, a recém-criada Afrodite, de Fernando Ribeiro de Mello (um portuense de 23 anos que chegara a Lisboa com fama de excêntrico diseur de poesia), lançara a primeira de muitas pedradas no charco do mundo literário português: uma edição do “Kama Sutra”, logo proibida. Enquanto gesto provocatório, funcionou às mil maravilhas. Mas foi com o livro seguinte, lançado em vésperas do Natal de 1965, que a Afrodite testou verdadeiramente a rigidez do establishment e o funcionamento da Censura. Natália Correia, que já vira os seus livros de poesia e teatro proibidos, organizou uma monumental “Antologia da Poesia Portuguesa Erótica e Satírica — Dos Cancioneiros Medievais à Actualidade”, com 552 páginas, abrangendo sete séculos e meio de versos do mais puro vernáculo. Das cantigas de escárnio e maldizer aos experimentalismos de E. M. de Melo e Castro, passando por Nicolau Tolentino, Bocage, Guerra Junqueiro, vários anónimos, Mário Cesariny, Jorge de Sena, Herberto Helder ou a própria Natália, cabia tudo. Na cinta promocional, não se fazia a coisa por menos: “Finalmente num único livro: a poesia maldita dos nossos poetas; as cantigas satíricas medievais em linguagem atualizada; dezenas de inéditos; a revelação do erotismo em Fernando Pessoa”. (...)»

«The Sustainable Development Goals and the future of corporate reporting»



Disponível aqui

«The Sustainable Development Goals (SDGs) that were introduced in 2015 are being increasingly implemented in global society. Governments and the private sector have taken the SDGs as the global framework underlying the direction and actions towards 2030, which has been set by the United Nations as the year in which the SDGs should be achieved. We, the participants of the Corporate Reporting Dialogue, fulfil a specific mandate within the societal system: to ensure transparency and accountability as the basis for better decision-making by companies, investors and other stakeholders; to ensure financial markets have the information needed to efficiently price assets and risk; and to promote financial stability. We have worked over the past years to better understand one another’s frameworks and to look for opportunities for further harmonization. The ongoing recognition of the importance of wider value creation and the need for integration of financial and nonfinancial information are strong drivers of our work.  We are determined to contribute to forms of transparency that enable all relevant stakeholders to allocate our societal capitals appropriately, to understand the interconnections of multiple forms of capital that drive long-term value to stakeholders, to broaden and enrich the perspectives on value creation and to take better capital allocation decisions through better insights into the linkage between value creation and the SDGs». 


quinta-feira, 9 de maio de 2019

ANTÓNIO MANUEL HESPANHA | «Filhos da Terra»






António Manuel Hespanha alcança neste livro um feito singular: conta uma história que todos conhecemos — a da expansão portuguesa — segundo uma perspectiva até aqui largamente ignorada. É a perspectiva dos portugueses e seus descendentes que, nos territórios longínquos da expansão, se desviaram da rede do «império formal» para integrarem as sociedades indígenas locais. Será que nessas comunidades — em África, na América, no Oriente — estes mestiços eram de facto portugueses? Carregariam consigo memórias, sentimentos, valores e traços culturais que se pudessem relacionar com Portugal? E em tais lugares remotos, fora do controlo da coroa, que visão tinham deles as populações nativas e os estrangeiros «concorrentes»? 


Filhos da Terra reconfigura os termos da análise historiográfica e mostra-nos que há uma versão mais rica e policromática da expansão portuguesa: a da história social, das pessoas comuns. Partindo das fontes da época, e fugindo a elementos míticos e envolvimentos emocionais, somos levados a questionar as identidades destes «portugueses» e, com isso, a exercer escrutínio crítico sobre um lugar-comum do nacionalismo português: o carácter «ecológico», aberto e universalista da «presença portuguesa no mundo». Saiba mais.
____________
E veja este trabalho no OBSERVADOR.


ARTIGO |COMISSÁRIA MARIANNE THYSSEN | «A Europa necessita do Pilar Europeu de Direitos Sociais. Porquê?»



Leia aqui

segunda-feira, 6 de maio de 2019

«Violência doméstica: Números voltam a subir»



Leia aqui



«There is good evidence that the arts can support people to live healthy lives»



«There is good evidence that the arts can support people to live healthy lives
Y Lab (Nesta and Cardiff University), Arts Council Wales and the Welsh NHS Confederation are working together to design a programme that will allow arts interventions to play a more prominent role in the health and wellbeing of people in Wales. By supporting arts and health organisations to design, test and prototype new ideas, the programme will help them to respond to the opportunities and challenges they face». Saiba mais.

sexta-feira, 3 de maio de 2019

PARA ASSINALAR O DIA DAS MÃES | «Mother and Child» | «Mother with two children»



«Mother and Child»

«Mother and Child is a painting that focuses on women at different stages in their lives. Painted by Gustav Klimt in 1905, it uses soft shades to portray a young woman with a child resting beside her. This painting is also known as, "Le Tre Eta Della Donna".
Gustav Klimt is also known for other paintings which explore the changes that women go through, some of of which are influenced by society. The artist chose to include less erotic elements in this work than he did with several other paintings, such as "The Theatre In Taormina". The female form is rendered with lines which are evocative of a Japanese style. (...)». Continue a ler.


                  Egon Schiele, Mother with two children III (1917)
                      |Photo: © Belvedere, Vienna



Saiba mais: 

«Dazzling Vienna Exhibition Explores the Female Muses of Klimt, Schiele, and Kokoschka

Some of these stunning portraits were considered highly scandalous at the time»



TEATRO | «Apocalipse Hoje» | 2 A 25 MAIO 2019 | CENDREV | ÉVORA




«O nosso mundo está a perder a cabeça.
APOCALIPSE HOJE dá-nos conta do estado do mundo através de três acontecimentos trágicos: a destruição das Torres Gémeas, em Nova Iorque, o drama dos migrantes rejeitados pela Europa e os atentados fanáticos que enlutam todo o planeta». 

.
.     .


«APOCALIPSE HOJE reúne três textos de dois dramaturgos franceses contemporâneos - Michel Vinaver (11 de Setembro de 2001) e Laurent Gaudé (Daral Shaga e O Juramento de Paris) - para pôr em cena, em Évora, aquilo que o encenador classifica como uma proposta de teatro imediatamente contemporâneo. Nas palavras de Heymann, justapor num espectáculo único estes três textos comoventes, escritos de uma maneira lírica, é propor um teatro imediatamente contemporâneo. É colocar no palco “APOCALIPSE HOJE”».




segunda-feira, 29 de abril de 2019

HOJE 29 ABRIL | Dia Mundial da Dança | UMA ESCOLHA | A OFERTA DA COMPANHIA NACIONAL DE BAILADO










NATALIA GONCHAROVA | NA TATE | «Throughout her long and varied career, Natalia Goncharova (1881–1962) challenged the limits of artistic, social and gender conventions»



«Seven Things to Know about Natalia Goncharova

Throughout her long and varied career, Natalia Goncharova (1881–1962) challenged the limits of artistic, social and gender conventions.
By the age of 32, she had already established herself as a leader of the Russian avant-garde.
Soon after, she achieved international fame for her vibrant costume and set designs for the Ballets Russes in Paris.
Here are seven things you should know about an artist hailed as 'a model for her generation'». Veja aqui.