quarta-feira, 31 de outubro de 2018

terça-feira, 30 de outubro de 2018

NO X CONGRESSO DO MDM | FERNANDA LAPA | «Apesar de todas as campanhas ministeriais, em prol da "dita" igualdade de género, é impossível alguém afirmar que ela existe no teatro português»





«(...)
Sou, sobretudo, uma mulher das Artes de Palco e em 1995, em colaboração com outras mulheres de Teatro resolvemos criar uma Companhia que rompesse com o estado de coisas a que estavam remetidas as mulheres no teatro português. Quase nunca nenhum texto de autoria feminina era representado, havia pouquíssimas encenadoras e estas ficavam na maior parte dos casos sempre à espera de serem convidadas pelos Directores das Companhias. A maioria das peças representadas davam da mulher imagens estereotipadas ou idealizadas e os elencos eram maioritariamente masculinos. As actrizes esperavam ser convidadas e nunca tinham hipótese de escolher os textos que gostariam de representar. Na maior parte das Companhias as mulheres tinham funções de secretariado, eram bilheteiras, costureiras ou empregadas de limpeza. Havia muito poucas mulheres em funções técnicas, tais como Luminotécnica, Sonoplastia, construção de Cenários, etc, profissões tradicionalmente masculinas. Resolvemos, pois, como já disse, criar a Escola de Mulheres-Oficina de Teatro, companhia que privilegiasse o trabalho feminino e desse da mulher uma imagem consentânea com a realidade. A recepção desta Companhia por parte dos poderes públicos foi, desde logo, hostil. No primeiro pedido de apoio junto da Secretaria de Estado da Cultura (PSD) nem sequer obtivemos resposta. Só após o primeiro espectáculo apresentado a convite da Fundação Gulbenkian conseguimos ter algum eco junto da Comunicação Social e, consequentemente do poder político. 23 anos após a criação da Companhia continuamos a ser a estrutura menos financiada dos chamados apoios sustentados, sem hipótese de divulgar o nosso trabalho visto os custos de publicidade serem incomportáveis e em consequência disso, ficando cada vez mais invisíveis. Apesar de todas as campanhas ministeriais, em prol da "dita" igualdade de género, é impossível alguém afirmar que ela existe no teatro português.  Desde a criação da nossa Companhia, algumas outras de iniciativa feminina foram nascendo, uma ou outra foi crescendo, mas nenhuma com apoios sólidos e, no último Concurso vimos desaparecer três delas, sendo que a Directora da mais antiga até tinha recebido, em 2017, a Distinção Mulheres Criadoras de Cultura na categoria Teatro da CIG. (...)». Leia na integra.


DIA INTERNACIONAL DAS MULHERES 2019 | LEMA UN WOMEN|«Think equal, build smart, innovate for change»


Veja aqui

quinta-feira, 25 de outubro de 2018

MÓNICA CALLE | «Rosa Crucificação»





Saiba mais

SARA PRIMO ROQUE | «Os Silêncios da Guerra Colonial»




«Livro “Os Silêncios da Guerra Colonial” de Sara Primo Roque
O livro “Os Silêncios da Guerra Colonial” de Sara Primo Roque, tem uma abordagem diferente do que é habitual no tratamento da Guerra Colonial, numa perspetiva inovadora de domínios como a “guerra no feminino”, a “morte em tempo de guerra”, o “sexo em tempo de guerra”, entre outros, para além da procura do desejo e do afeto.
Porque é uma obra inovadora nos termos que trata, suscita naturalmente o debate, o que é importante sublinhar.
 Dada a curiosidade que levanta e apesar de já estar no prelo, a UCCLA aceitou apresentá-la publicamente na primeira oportunidade.
 A obra tem a chancela das Edições Pasárgada, numa edição de novembro de 2017». Tirado daqui.



quarta-feira, 24 de outubro de 2018

«Women’s full and equal participation at all levels of society is a fundamental human right. During times of conflict, women’s participation in resolving conflict and negotiating peace is especially important to ensure that women’s rights are protected, experiences are recognized, and that peace lasts»

Veja aqui

AFONSO REIS CABRAL | «Pão de Açúcar»






SINOPSE
Em Fevereiro de 2006, os Bombeiros Sapadores do Porto resgataram do poço de um prédio abandonado um corpo com marcas de agressões e nu da cintura para baixo. A vítima, que estava doente e se refugiara naquela cave, fora espancada ao longo de vários dias por um grupo de adolescentes, alguns dos quais tinham apenas doze anos.

Rafa encontrara o local numa das suas habituais investidas às zonas sujas, e aquela espécie de barraca despertou-lhe imediatamente o interesse. Depois, dividido entre a atracção e a repulsa, perguntou-se se deveria guardar o segredo só para si ou partilhá-lo com os amigos. Mas que valor tem um tesouro que não pode ser mostrado?

Romance vertiginoso sobre um caso verídico que abalou o País, fascinante incursão nas vidas de uma vítima e dos seus agressores, Pão de Açúcar é uma combinação magistral de factos e ficção, com personagens reais e imaginárias meticulosamente desenhadas, que vem confirmar o talento e a maturidade literária de Afonso Reis Cabral. +.

terça-feira, 23 de outubro de 2018

EM MADRID A DECORRER NO ÂMBITO DA XXVI CUPULA IBERO AMERICANA | “Encuentro Iberoamericano sobre estrategias legales para el empoderamiento económico de las mujeres”

Leia aqui
e veja também neste endereço

«La Canciller de Guatemala Embajadora Sandra Jovel Polanco, se encuentra en la ciudad de Madrid, España participando en el “Encuentro Iberoamericano sobre estrategias legales para el empoderamiento económico de las mujeres”, evento que es parte de las actividades preparatorias de la XXVI Cumbre Iberoamericana.
El Encuentro se celebra en el Ministerio de Asuntos Exteriores, Unión Europea y Cooperación, en Madrid,España, el 22 y 23 de octubre de 2018, donde participarán delegadas de los 22 países que son parte de la Conferencia Iberoamericana.
Este evento desde la óptica de los Objetivos de Desarrollo Sostenible-ODS, buscará reunir a actores de especial relevancia, tales como Ministras y Representantes de mecanismos de igualdad; parlamentarias y expertas académicas de la región para mostrar el alcance de la desigualdad legislativa que afecta el empoderamiento económico de las mujeres; impulsar la acción para revocar leyes discriminatorias y promover leyes y políticas sensibles al tema; promover alianzas multi-sectoriales para lograr reformas legislativas efectivas y de impacto. (...)». Continue a ler.





«Women in management: Underrepresented and overstretched?»


«In this, the second decade of the 21st century, gender inequality remains a defining characteristic of European labour markets. Despite rising participation in the labour force, women’s careers remain concentrated in specific jobs and economic sectors; moreover, their career mobility and advancement through the ranks into management remain limited. 
Looking at the differences between women and men in management positions is essential for understanding the labour market and working conditions. Managers are a specific group of workers. They are strategically placed, having the role and latitude to shape practices and policies in the workplace. This position gives them a twofold role: contributing to the success of the organisation while also guarding the well-being of their subordinates. The underrepresentation of women in strategic positions undoubtedly has repercussions on work and the labour market. (...)». Continue a ler na Introdução.




segunda-feira, 22 de outubro de 2018

CONGRESSO MDM | «Igualdade na vida / O combate do nosso tempo» | 27 OUTUBRO 2018 | FÓRUM MUNICIPAL LUISA TODI | SETÚBAL | Hoje Conferência de Imprensa



«Conferência  de Imprensa
dia 22 de outubro, 11horas na Casa D'Avenida, Av. Luísa Todi 286, 2900-276 Setúbal

O Movimento Democrático de Mulheres – MDM vai realizar em Setúbal, no Fórum Luísa Todi, em 27 de outubro próximo, o seu X Congresso subordinado ao lema “Igualdade na vida – o combate do nosso tempo”.
Esta importante e única iniciativa congregadora de mulheres do país tem como objetivos aprofundar o conhecimento sobre a situação da mulher portuguesa e analisar em que ponto estamos quanto o seu estatuto na sociedade, mas também qual a sua participação nas comunidades locais, seja na vida social, desportiva, cultural seja na vida política nacional.
O X Congresso do MDM vai também eleger uma nova direção e traçar perspetivas para os próximos quatro anos, que é o período entre Congressos de acordo com os seus Estatutos.
O MDM é uma organização de mulheres de âmbito nacional, sem fins lucrativos, com assento no Conselho Consultivo da CIG – Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género e também no CES – Conselho Económico e Social, que desenvolve uma ação mobilizadora de vastas camadas de mulheres em prol da igualdade e dos seus direitos como cidadãs, mães e trabalhadoras.
A fim de podermos dar a conhecer os objetivos deste X Congresso convidamos-vos a estar connosco no dia 22 de outubro, segunda feira, pelas 11horas na Casa d’Avenida em Setúbal». Saiba mais.


«SELEÇÃO SUB-19 DE FUTSAL FEMININO RECEBIDA COM EMOÇÃO POR DEZENAS NO AEROPORTO DE LISBOA»

Os festejos das vencedoras EPA/MARINA GUILLEN.   (Tirada daqui)


«(...)Dezenas de pessoas receberam hoje, no Aeroporto de Lisboa, a comitiva dos Jogos Olímpicos da Juventude, com destaque para a equipa feminina de futsal, que conquistou o ouro em Buenos Aires.
Enquanto esperavam pela saída da comitiva nas chegadas do aeroporto, sobretudo familiares e amigos dos atletas, cantaram o hino nacional e exibiram cartazes de apoio com fotografias, a maioria das jogadoras de futsal que venceram na final o Japão por 4-1. (...)». Leia mais.
E, o destaque:
Leia aqui

sexta-feira, 19 de outubro de 2018

FILIPA MARTINS | «Na Memória dos Rouxinóis»


SINOPSE
Um romance extraordinário, feminino (embora sobre homens), em torno de um matemático que encomendou a sua biografia antes de morrer.
Jorge Rousinol é um matemático galego, que sempre defendeu o esquecimento como o melhor veículo para a tomada de decisões acertadas. No final da vida encomenda uma biografia sua a uma casa editora. Estranha decisão para quem nunca quis recordar. O biógrafo escolhido acaba por ser alguém com quem privara décadas antes e que se vê, ele próprio, enleado em memórias moribundas.

É um romance em três tempos (o do passado do biografado, o do passado do biógrafo - e o do presente, que os une), que vê no arrependimento outra forma de se lidar com as recordações. Biógrafo e biografado conseguirão, em parte, o que pretendem: não se trata de esquecer, mas sim de escrever uma confissão. Uma escrita fantástica, inesperada, inovadora - de uma leveza surpreendente. Diálogos muito bem escritos, sensuais. Incursões pela magia dos números primos. Desenlace inesperado. +.


«Global Centre of Excellence on Gender Statistics (CEGS)»

Leia aqui

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

«uma em cada quatro crianças menores de 18 anos está em risco de pobreza e exclusão social no conjunto da União Europeia»






A propósito do relatório da imagem, por exemplo, este trabalho:


União Europeia: Uma em quatro crianças em risco de pobreza e exclusão

Pelo menos 25 milhões de crianças na União Europeia vivem em agregados com baixos rendimentos, sem condições e onde a fome é frequente, revela um relatório da Agência da União Europeia para os Direitos Fundamentais (FRA) hoje divulgado.
O relatório “Combating child poverty: an issue of fundamental rights”, divulgado a propósito do Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza, que hoje se assinala, conclui que uma em cada quatro crianças menores de 18 anos está em risco de pobreza e exclusão social no conjunto da União Europeia.
O documento, que tem como referência o ano de 2016, aponta que a média dos 28 países não reflete, no entanto, “importantes disparidades nacionais”.
Em Estados membros como a Roménia (49,2%) e a Bulgária (45,6%) quase metade das crianças estavam em risco de pobreza e exclusão social.
Mais de 30% das crianças corriam risco de pobreza e exclusão social em países como a Grécia (37,5%), Hungria (33,6%), Itália (33,2%), Espanha (32,9%) e Lituânia (32,4 %).
As percentagens mais baixas registaram-se na Dinamarca (13,8%), Finlândia (14,7%) e Eslovénia (14,9%).


Portugal contava-se entre os países com entre 20 e 29% de crianças em risco de pobreza e exclusão social.
O risco afeta as crianças europeias de uma maneira global, mas é pior em alguns grupos, nomeadamente entre as comunidades ciganas e os migrantes. Continue a ler.

«Representação de homens e mulheres nos blocos informativos de sinal aberto 2015-2016-2017 / RTP1,RTP2, SIC e TVI»




«(...)
Principais Resultados
Observa-se que os três anos considerados mantêm as tendências já identificadas em 2014, permanecendo a preponderância de atores do sexo masculino nos noticiários de horário nobre.
 Nas amostras consideradas no triénio em análise, os protagonistas homens são os mais representados em qualquer dos serviços noticiosos, com valores acima dos 70%. Já as mulheres representam apenas um quinto dos atores destacados nas peças analisadas. As notícias protagonizadas por ambos os sexos, categoria que abrange atores da mesma área de proveniência, cujo destaque mediático é partilhado2 , representam apenas oito por cento da amostra. 
Se, em algumas áreas, como na política nacional, a presença de representantes femininas tem observado uma evolução favorável, noutros domínios, como no mercado de trabalho, apesar da sua feminização, a liderança das empresas continua a ser ocupada por homens.  (...)». Leia na integra.


quarta-feira, 17 de outubro de 2018

TEATRO | «O Filho» | ATÉ 10 NOV 2018 | CALDAS DA RAINHA






«Peça sobre o extremo isolamento, é-o de duas formas, pela distância territorial - a estória acontece nos confins de um fiorde, no interior norueguês em pleno inverno - e pelo isolamento que a idade traz. O que surpreende nesta peça de Fosse é, no entanto, uma mistura de clima psicológico vivida entre a ansiedade que o casal de pais, já de uma certa idade, vai mostrando que tem em relação ao filho ausente - único - a extrema solidão em que vivem, a quase nenhuma vizinhança em torno da casa - a aldeia de que se fala são casas vazias, como o nosso interior mais interior - e um tempo a gerir que, no fundo, não é mais que o próprio tempo a passar e uma hipotética visita do filho.
Mas o drama acontece, o filho regressa, o vizinho do lado fala da prisão que supostamente lhe aconteceu e, inesperadamente, o filho reage com violência e acontece uma morte: a do vizinho do lado. Entretanto nada parece passar-se com este regresso, a dificuldade de falar, a incomunicabilidade entre filho e pais, é radical. São seres estranhos um aos outros.
E o fim, com o filho partido de novo não se sabe para onde - fala-se de uma banda musical, o jovem tem 25 anos - e morto o vizinho do lado, o plano de uma solidão acrescentada é absoluto. E isto no país mais rico do mundo, com o maior rendimento per capita, como dizem as estatísticas».


Ficha Artística

TEXTO Jon Fosse
TRADUÇÃO Isabel Lopes e Fernando Mora Ramos
ENCENAÇÃO
 Fernando Mora Ramos
CENOGRAFIA José Carlos Faria
SONOPLASTIA Francisco Leal
DESENHO DE LUZ António Anunciação e Filipe Lopes
INTERPRETAÇÃO Isabel Lopes, António ParraCarlos Borges e Fernando Mora Ramos


«Dar uma oportunidade às crianças de hoje»



Leia aqui

terça-feira, 16 de outubro de 2018

PATRÍCIA CARVALHO | «Ainda aqui estou»




Sinopse

Até 2016, a cada Verão, fomos tristemente habituados às imagens dos fogos que avançavam pelo País. Nos televisores, o desespero e o crepitar das labaredas preenchiam os noticiários. Em Junho e Outubro de 2017, quando julgávamos que a tristeza daquele «hábito» não podia ser maior, 115 pessoas perderam a vida, e Portugal, de luto, era um País inteiro incrédulo, ferido de morte pela tragédia que parecia não ter explicação. «Ainda aqui estou», diz um dos sobreviventes. É dos que morreram, mas, sobretudo, dos que ainda aqui estão que este Retrato faz e conta a história: bombeiros apanhados pelas chamas que deviam ajudar a combater, voluntários que se fizeram à estrada pela primeira vez, famílias que perderam a casa e a empresa. E também dos velhos que, sozinhos, viram o fogo avançar. Saiba mais.




«guide for understanding arts and cultural interventions in health and social settings»






Summary 
The Active Ingredients project has been developed jointly by Aesop and BOP Consulting. It aims to deepen our understanding of the ways in which arts interventions in health and social contexts actually work - and to improve the ways these are designed and their impacts measured.

  This short paper:
• outlines the background and need for the project 
• documents the process of how it has been developed 
• presents and describes the initial Active Ingredients planning and evaluation model, and
• suggests how it can be used in practice».

Ainda:







segunda-feira, 15 de outubro de 2018

RICHARD ZIMLER | «Os Dez Espelhos de Benjamim Zarco»




SINOPSE

«Benjamin Zarco e o seu primo Shelly foram os únicos membros da família a escapar ao Holocausto. Cada um à sua maneira, ambos carregam o fardo de ter sobrevivido a todos os outros. Benjamin recusa-se a falar do passado, procurando as respostas na cabala, que estuda com avidez, em busca daquilo a que chama os fios invisíveis que tudo ligam. E Shelly refugia-se numa hipersexualidade, seu único subterfúgio para calar os fantasmas que o atormentam.

Construído como um mosaico e dividido em seis peças, Os dez espelhos de Benjamin Zarco entretecem-se entre 1944, com a história de Ewa Armbruster, professora de piano cristã que arrisca a vida para esconder Benni em sua casa, e 2018, com o testemunho do filho de Benjamin acerca do manuscrito de Berequias Zarco, herança do pai, talvez a chave para compreender a razão por que Benjamin e Shelly se salvaram e o vínculo único que os une. (...)». Continue a ler.

«Dirigente do Clube Albergaria punido com seis meses de suspensão após proferir expressão considerada sexista misógina pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol»



Leia aqui





sexta-feira, 12 de outubro de 2018

HÉLIA CORREIA | «Um Bailarino na Batalha»



«Pesados como pedras, no entanto velozes como pedras, eles caminham, os últimos errantes, uns poucos dias mais adiante, os poucos dias que os separam da música dos ossos. Eles caminham, os últimos errantes, embatendo uns nos outros, repelindo, à força de olhos e de cotovelos, à força daquele ronco que lhes bate, mais do que o coração, dentro do peito, repelindo e chamando, concentrados na marcação das cenas animais, na coreografia da matilha. Pois tudo aquilo que séculos, milénios, foram acumulando, abstracções, certa elegância na sobrevivência, as leis cujo poder suspende a faca e faz descer a faca, tudo era fácil de rasgar, tudo era um mero adorno, um véu de rapariga, algo que não resiste à impiedade». Saiba mais.



DOS OUTROS | ESPANHA | MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, CULTURA E DESPORTO |«Espacio de Igualdad»



Veja aqui




quinta-feira, 11 de outubro de 2018

CONFERÊNCIA A DECORRER | «Gender Equality & You» | 11 -12 OUT 2018 | VIENA | ÁUSTRIA









«Gender Equality and YOU
11.10.2018 - 12.10.2018
Vienna, Austria Center Vienna
Add to your calendar: iCal
The conference will be dedicated to the future priorities for the work on gender equality in the EU. It will be a space where people from different generations, diverse backgrounds and organisations will meet and discuss as equals: young people and youth representatives, gender equality ministers, political representatives from EU organisations as well as experts from NGOs and public institutions.
As a participatory conference, Gender Equality and YOU will bring together 250 participants from all over Europe to take part in an open dialogue on the future of gender equality in the EU. The event has been prepared together with young people in a series of workshops, during which the topics that will shape the agenda of the conference were identified».

A propósito:

(This document was prepared to provide background information for Members of the Committee on Women's Rights and Gender Equality (FEMM) participating in the Conference "Gender Equality and YOU"organised by the Austrian presidency (Vienna, 11-12 October 2018). It is intended to provide information on various aspects of gender equality, based on studies and analyses which have been commissioned by the Policy Department and delivered to FEMM in the course of the current legislature. Of two recent studies a short summary, as well as a link to the full text of the study is given. A number of other Policy Department studies on specific aspects of gender equality in the EU are listed for further reading).


AINDA É NOTÍCIA | «Lubna Olaya entra para a história ao ser a primeira mulher a liderar um banco na Arábia Saudita»



Leia aqui

segunda-feira, 8 de outubro de 2018

NOBEL DA PAZ 2018 | «Denis Mukwege e Nadia Murad recebem o Nobel da Paz pelo trabalho desenvolvido na erradicação da violência sexual como arma de guerra»



Leia aqui


Leia também na ONU Brasil:

Embaixadora da ONU e médico congolês vencem Nobel da Paz por luta contra violência sexual


Um excerto:

«(...)
O chefe da ONU disse que o prêmio é parte de um “crescente movimento para reconhecer a violência e a injustiça” enfrentada por mulheres e meninas, em todo o mundo.
“Dez anos atrás, o Conselho de Segurança condenou unanimemente a violência sexual como uma arma de guerra. Hoje, o Comitê do Nobel reconheceu os esforços de Nadia Murad e Denis Mukwege como ferramentas vitais para a paz”, disse Guterres.
“Ao homenagear esses defensores da dignidade humana, este prêmio também reconhece inúmeras vítimas em todo o mundo que muitas vezes foram estigmatizadas, escondidas e esquecidas. Este é o prêmio deles também. Vamos homenagear esses novos ganhadores do Prêmio Nobel por defenderem as vítimas de violência sexual em todos os lugares.” (...)». Leia na integra.


Montserrat Caballé, “la superba"






Veja aqui




terça-feira, 2 de outubro de 2018

JOSÉ FILIPE PINTO | «Terrorismo Religioso / A Realidade no Feminino» | APRESENTAÇÃO | 4 OUT 2018 | 17:00 H | SOCIEDADE DE GEOGRAFIA DE LISBOA

Aceda a parte da obra

«Uma temática que nos toca a todos numa conjuntura em que o mundo vive sob a ameaça do terrorismo global que invoca motivações religiosas. A mulher como personagem central. Uma realidade tridimensional: a terrorista, a vítima do terrorismo e a agente contraterrorista.
O que é o terrorismo religioso global? O que leva a mulher a tornar-se terrorista? Quais os papéis que a mulher desempenha no terrorismo? Poderá a mulher ser uma mais-valia para controlar o fenómeno terrorista? Estas são algumas das questões que este livro aborda e a que procura responder.
Uma leitura necessária. Para perceber o fenómeno. Evitar alarmismos e ultrapassar preconceitos».