segunda-feira, 29 de abril de 2019

HOJE 29 ABRIL | Dia Mundial da Dança | UMA ESCOLHA | A OFERTA DA COMPANHIA NACIONAL DE BAILADO










NATALIA GONCHAROVA | NA TATE | «Throughout her long and varied career, Natalia Goncharova (1881–1962) challenged the limits of artistic, social and gender conventions»



«Seven Things to Know about Natalia Goncharova

Throughout her long and varied career, Natalia Goncharova (1881–1962) challenged the limits of artistic, social and gender conventions.
By the age of 32, she had already established herself as a leader of the Russian avant-garde.
Soon after, she achieved international fame for her vibrant costume and set designs for the Ballets Russes in Paris.
Here are seven things you should know about an artist hailed as 'a model for her generation'». Veja aqui.



sexta-feira, 26 de abril de 2019

«"Moeda da Igualdade": Nova moeda do Canadá celebra os 50 anos dos direitos LGBT»









«As Mulheres na Colecção Moderna. De Sonia Delaunay a Ângela Ferreira 1916-2018»

do Jornal Público


Entretanto, EM EXPOSIÇÃO, Maria Antónia Siza na Coleção Moderna.




«Trinta e seis obras de Maria Antónia Siza, artista que desapareceu prematuramente aos 32 anos de idade, estão atualmente expostas na Coleção Moderna da Fundação Gulbenkian. Estas são apenas algumas das mais de cem obras – desenhos a tinta-da-China, guaches, estudos e bordados – doadas pelo arquiteto Álvaro Siza Vieira à Fundação Calouste Gulbenkian e que fazem agora parte do acervo do Museu». Saiba mais.



quarta-feira, 24 de abril de 2019

25 ABRIL 2019 | Parlamento de Portas Abertas»







25 de Abril | Parlamento de Portas Abertas
entre as 15h00 e as 18h00 (última entrada)
​A Assembleia da República celebra os 45 anos da Revolução de 25 de Abril com um programa que inclui a abertura do Palácio de São Bento para visitas livres e atividades culturais.
Os cidadãos são convidados a conhecer os espaços mais emblemáticos do edifício, incluindo algumas salas de acesso habitualmente reservado, de acordo com um itinerário pré-definido.
O programa inclui a abertura da porta principal do Palácio pelo Presidente da Assembleia da República, às 15h00, seguida de uma atuação da Academia de Amadores de Música, no Átrio Principal, a apresentação da peça de teatro infantil “No sótão da minha avó”, pelas 16h00, no Refeitório dos Monges, e um concerto de Jorge Palma no Átrio Exterior do Palácio de São Bento, às 17h30.
A Livraria Parlamentar, sob o tema “Abril, artistas mil”, organiza workshops de pintura. Pode ainda ser visitada a exposição "Cinquenta anos a fazer p.arte", de António Colaço.

Os visitantes podem circular diretamente entre o edifício da Assembleia da República e a Residência Oficial do Primeiro-Ministro.



Informações
Divisão Museológica e para a Cidadania
Tel.: 21 391 96 25 | 21 391 92 09

DMC.correio@ar.parlamento.pt






ANA CRISTINA SILVA | «As Longas Noites de Caxias»





SINOPSE
Um romance poderoso e emocionante sobre duas mulheres que viveram intensamente a ditadura. Leninha, a mais temida e poderosa figura feminina da polícia política portuguesa: a PIDE; e Laura, uma das vítimas que mais sofreu às mãos da terrível agente. Baseado na vida de uma figura tão terrível como fascinante: a mulher que chegou mais alto na hierarquia da PIDE, ainda hoje uma grande desconhecida para a maioria dos portugueses. +.



terça-feira, 23 de abril de 2019

OLÁ CRIANÇAS! OLÁ JOVENS! | TALVEZ LHES INTERESSE (103) | «Manifesta-te Pela Leitura» | TODOS AO CHIADO !





«O apelo é do Plano Nacional de Leitura 2027 que, dia 23 de abril, dia Mundial do Livro, quer juntar muita gente à volta dos livros num grande desfile em Lisboa.
Teresa Calçada, a comissária do PNL afirma que este ano é em Lisboa, mas pode ser em qualquer lugar, afinal esta é uma "celebração do livro, dos autores e dos leitores".
O início da marcha está marcado para as 14h30 na Praça Luís de Camões, depois os "manifestantes" vão descer a rua em direção ao Chiado, com paragens para leituras em voz alta nas livrarias BD Mania, Bertrand, Férin e FNAC. A acompanhar o desfile vão estar dois músicos e alguns artistas do Chapitô». Tirado daqui.


AS MULHERES DE PENICHE | «A falta de comida e a má qualidade dela tornaram-nas mais frágeis. Viver entre homens também não era fácil. Não tinham privacidade e as condições de higiene eram “péssimas”, diz Domingos Abrantes, antigo preso de Peniche e hoje membro da Comissão de Instalação dos Conteúdos e Museografia (CICAM), responsável pela instalação do Museu Nacional da Resistência e da Liberdade, a inaugurar dia 25, no âmbito das comemorações dos 45 anos da revolução. “A cadeia não estava preparada para receber mulheres”, continua»




Recorte do Semanário
 Expresso/Revista E
de 19 ABRIL 2019
«Era verão e as intempéries acalmavam nessa altura. Teresa Marques e Maria de Jesus, as duas únicas mulheres presas numa cadeia de homens, entraram ali com diferença de meio mês no mesmo ano de 1942, a primeira a 29 de junho, a segunda a 16 de julho, dia de Nossa Senhora do Carmo. Se terão rezado não se sabe, se eram católicas também não. Chegaram as duas de Souto da Carpalhosa, no distrito de Leiria, e não anteviam o que aquele mar era capaz de lhes fazer. O mar e o vento, as gaivotas e as traineiras. Um som permanente, enlouquecedor no meio do silêncio e da incógnita sobre o futuro.
As condições de vida eram as mais duras. Os presos de Peniche, atirados para uma cela coletiva, sobreviviam à custa de um carácter forte e determinado, sempre pronto a lutar pelo mesmo ideal que os colocara atrás das grades. Assim resistiam, entre castigos e espancamentos. Não havia muita distinção entre eles. Eram os presos políticos do regime de Salazar, aqueles de quem a PIDE tomava conta.
A cadeia era ainda uma fortaleza do século XVI com pequenas adaptações. E a humidade corroía os ossos. Teresa e Maria, ambas domésticas — a primeira casada e a segunda ainda solteira —, não sabiam o que fazer ali dentro. A primeira tinha 42 anos, a segunda 34. Tudo indica que se conheciam e que se tornaram unha com carne no interior daquele forte militar. Ficaram as duas juntas numa única cela.
(...)
A falta de comida e a má qualidade dela tornaram-nas mais frágeis. Viver entre homens também não era fácil. Não tinham privacidade e as condições de higiene eram “péssimas”, diz Domingos Abrantes, antigo preso de Peniche e hoje membro da Comissão de Instalação dos Conteúdos e Museografia (CICAM), responsável pela instalação do Museu Nacional da Resistência e da Liberdade, a inaugurar dia 25, no âmbito das comemorações dos 45 anos da revolução. “A cadeia não estava preparada para receber mulheres”, continua. As mulheres antirregime eram encaminhadas para a Cadeia das Mónicas, no Forte de Caxias, onde cumpriam penas várias (também os delitos comuns lá iam parar). E essa, sim, “era uma prisão que contemplava com muito mais dignidade as necessidades femininas”, diz o antigo preso José Pedro Soares, que também por lá passou e via as mulheres no recreio, no lado oposto ao dele. Mas não ali, em Peniche, com o mar e o vento, o vento e o mar, as gaivotas e as traineiras, ruídos de sempre no silêncio da cela. (...)».

segunda-feira, 22 de abril de 2019

EXPOSIÇÃO | «25 de Abril sempre Mulher e sempre Liberdade» | INAUGURAÇÃO | 24 ABRIL 2019 | 17:30 H | VILA NOVA DE CERVEIRA





«A Fundação Bienal de Arte de Cerveira associa-se às comemorações do Município de Vila Nova de Cerveira do 45.º Aniversário da “Revolução dos Cravos”, com a promoção da exposição “25 de Abril sempre Mulher e sempre Liberdade”*. A inauguração está agendada para o dia 24 de abril, às 17h30. 
Vila Nova de Cerveira vai comemorar, no próximo dia 25 de abril (quinta-feira), o 45º aniversário da “Revolução dos Cravos”. Música e arte voltam a ser a forma de expressão para manter viva esta data histórica e emblemática para todos os portugueses, símbolo da liberdade e democracia.
A Fundação Bienal de Arte de Cerveira vai iniciar o programa de comemorações. Para o dia 24 de abril, às 17h30, no Fórum Cultural de Cerveira, está agendada a inauguração da exposição intitulada “25 de Abril sempre Mulher e sempre Liberdade” que homenageia 14 escritoras e artistas residentes, no feminino, apresentando alguns dos seus trabalhos e obras; seguindo-se à noite o recital “A Poesia é uma arma carregada de futuro”, com criação e interpretação de Pedro Lamares, às 21h30, no Cineteatro. Gabriel Celaya dá o mote a um recital que vem de Gil Vicente e Camões aos autores contemporâneos, com os olhos bem fincados no nosso tempo, em busca de futuro. Com algum humor e uma lógica de conversa, abre-se um espaço de diálogo com o público». Continue a ler.



CAETANO VELOSO | «Terra»










quinta-feira, 18 de abril de 2019

EM AMBIENTE DE SEMANA SANTA PARA OS CRISTÃOS DO OCIDENTE | CHAMAS E ESPERANÇA | «(...)no entanto estou convicto de que serão as suas notas a consolar o coração não só dos cristãos, mas também da solidária fileira de homens e mulheres de todos os lugares que, olhando para aquele impensável incêndio, se inquietaram e choraram, acomunados por uma pertença plena ao grande corpo da humanidade, e unidos por uma paixão por esses valores dos quais Notre-Dame é símbolo»



Leia aqui

TUNIS FORUM ON GENDER EQUALITY | 24,25, 26 abril 2019 | TUNISIA





«The Governments of Sweden and Tunisia in collaboration with the United Nations Development Programme (UNDP) and UN Women are hosting the Tunis Forum  (...on Gender Equality in the capital of Tunisia, from 24 to 26 April 2019.
The Forum is taking place one year before the 25th anniversary of the adoption of the Beijing Declaration and Platform for Action (BPfA), and one year before the 20th anniversary of UN Security Council Resolution 1325, which envisaged women’s full and meaningful participation in peacebuilding and conflict resolution. The Forum also precedes the presentation of the first Global Sustainable Development Report at the SDG Summit that will be held in New York. Connecting the key elements of these processes, the Forum will highlight the important role that civil society plays in advancing gender equality and sustaining the hard-won gains.
Imminent speakers of the Forum include Prime Minister of Tunisia, Youssef Chahed, UN Women Executive Director Phumzile Mlambo-Ngcuka; Minister for Foreign Affairs of Sweden, Margot Wallström; and Minister of Women, Family, Childhood and Elders of Tunisia, Neziha Labidi, among others.

The Tunis Forum is expected to gather around 500 participants from around the world, including women activists and male champions of gender equality, representatives from national, regional and local governments, civil society, private sector, academia, and international organizations. It will specifically focus on youth participation so that the Forum is inclusive of, and responsive to, the concerns of future generations of global leaders. The agenda of the Forum was shaped by a consultative process that engaged nearly 6,000 people from different parts of the world. (...)». Continue a ler.

quarta-feira, 17 de abril de 2019

MARIA ALBERTA MENÉRES




Veja aqui


Maria Alberta Menéres morreu. Foi assim que a sua filha  Eugénia Melo e Castro nos deu a triste notícia: «Minha mãe adorada Maria Alberta Menéres hoje foi escrever histórias, contos e poemas maravilhosos para o céu. Meu amor minha mãe adorada. 25 Agosto 1930 / 15 Abril 2019». E tantos são os livros e as conversas que nos deixa. Como é mostrado, por exemplo, no seguinte  trabalho:

«Morreu Maria Alberta Menéres, a autora de "Ulisses"

Maria Alberta Menéres faleceu esta segunda-feira ao final da tarde, aos 88 anos. A escritora é autora de mais de 100 livros infantis e juvenis, destacando-se "Ulisses", uma adaptação da obra de Homero para alunos do 6º ano». Continue a ler.

E deste modo a nossa singela homenagem a Maria Alberta Menéres, que prolongaremos continuando a divulgar a sua obra. Comecemos, já:


SINOPSE
«Este livro fala-nos da poesia que é possível encontrar nas mais simples formas geométricas, as quais, todas contentes por lhes darmos importância e, assim, fazerem um figurão, se transformam em Figuras Figuronas!Se virmos bem, o mundo à nossa volta é todo feito de mil e um elementos geométricos que sempre nos acompanham e em que tão poucas vezes reparamos: cada qual com a sua poesia própria, ou seja, o sentido novo que só os nossos olhos atentos conseguem inventar». +.


EDITH PIAF | «Notre Dame de Paris»










terça-feira, 16 de abril de 2019

«Mário Cruz ficou intrigado com as ondas de lixo em Manila. Foi lá e descobriu uma cidade dentro de um rio. O World Press Photo premiou-o. Há uma exposição para ver, em Algés»

Mário Cruz

«O rio de plástico de Mário Cruz premiado pelo World Press Photo à vista em Algés

Mário Cruz ficou intrigado com as ondas de lixo em Manila. Foi lá e descobriu uma cidade dentro de um rio. O World Press Photo premiou-o. Há uma exposição para ver, em Algés»


Ainda sobre a exposição:
«A Câmara Municipal de Oeiras abriu as portas do Palácio Anjos, em Algés, para a exposição “Living Among What’s Left Behind”, de Mário Cruz. O fotojornalista apresenta o seu trabalho, premiado pelo World Press Photo 2019.
Ao todo, estão expostas 40 imagens que retratam o perigoso caminho que a humanidade enfrenta, quando descura os direitos fundamentais e abandona a preservação do meio ambiente. A fotografia distinguida pelo World Press Photo mostra uma criança que recolhe materiais recicláveis, para obter algum tipo de rendimento que lhe permita ajudar a família, deitada num colchão rodeado por lixo que flutua no rio Pasig, que já foi declarado biologicamente morto na década de 1990.
O livro “Living Among What’s Left Behind” surge como um apelo à ação e é da responsabilidade da Nomad, sob edição de Mário Cruz e em colaboração com o Estúdio Degrau. Contém 70 fotografias, umas a preto e branco e outras a cores, que retratam, de forma crua, a realidade que Mário Cruz encontrou em Manila. A capa foi produzida através do processamento de 160 kg de resíduos industriais e desperdícios de uso doméstico. Cada capa é criada individualmente e à mão, resultando em exemplares com capas únicas, que simbolizam a abundância de lixo que deixamos para trás. Saiba mais.

 Living Among What’s Left Behind 
Patente ao público de 7 de Abril a 26 de Maio 2019
Horários
Terça a sexta das 10h às 18h (ultima entrada às 17h30).
Sábados e domingos das 12h às 18h (ultima entrada às 17h30).
Encerra segundas e feriados.
Entradas gratuitas
 INFORMAÇÕES
Palácio Anjos: Alameda Hermano Patrone, 1495-064 Algés
Contacto: 214111400 | panjos@cm-oei


A FOTOGRAFIA DO ANO DO WORLD PRESS PHOTO 2019 É DA AUTORIA DO NORTE-AMERICANO JOHN MOORE | «mostra uma violência diferente, que é psicológica»



JOHN MOORE/ GETTY IMAGES


Do Semanário EXPRESSO:

«A fotografia do ano do World Press Photo 2019 é da autoria do norte-americano John Moore, anunciou nesta quinta-feira a organização dos prémios em Amesterdão, na Holanda. A foto, captada em 12 de junho de 2018, mostra uma menina hondurenha a chorar quando a mãe é revistada e detida próximo da fronteira dos Estados Unidos com o México, em McAllen, no Texas.
A imagem, que valeu ao fotógrafo norte-americano um prémio de 10 mil euros, foi capa da revista "Time" e gerou a contestação ao programa do Presidente norte-americano, Donald Trump, de separação das famílias de imigrantes. Em declarações posteriores ao jornal britânico "Daily Mail", o pai da menina disse que a filha não foi retirada à mãe e que ambas foram detidas juntas.
Para John Moore, a "imagem tocou os corações de muitas pessoas", como o seu, porque "humaniza uma história maior". Segundo um dos membros do júri da competição, a fotojornalista brasileira Alice Martins, a fotografia de Moore mostra "uma violência diferente, que é psicológica". (...)». Leia mais.
____________



segunda-feira, 15 de abril de 2019

«Estão abertas até 28 de maio as inscrições do Prémio UNESCO para a Educação de Mulheres e Meninas»




«Estão abertas as inscrições do Prêmio UNESCO para a Educação de Mulheres e Meninas. Premiação oferece 50 mil dólares para cada um dos dois vencedores. A agência da ONU chama governos e ONGs parceiras a indicar pessoas ou instituições para o concurso, que visa reconhecer projetos de promoção da igualdade gênero na educação e por meio do ensino». Continue a ler.


Veja aqui no site oficial  do Prémio


«Women in Asia Changing the Future»




Leia aqui

sexta-feira, 12 de abril de 2019

CLARICE LISPECTOR | «Correio Para Mulheres»




SINOPSE
Neste Correio para Mulheres, foram reunidos textos antes publicados em Correio Feminino e Só para Mulheres, oferecendo-se ao leitor uma visão de conjunto deste trabalho de Clarice Lispector. 
Por vezes, entre conselhos diversos, muitas vezes de caráter prático, há cintilações literárias inconfundíveis do estilo de Clarice Lispector. +.

Jornal de Letras
10 a 23 Abril 2019

TEATRO | «Emigrantes» | ATÉ 28 ABRIL 2019 | TEATRO DA TRINDADE | LISBOA






«Estranhos uns dos outros, encontramos na vulnerabilidade coletiva a derradeira reciprocidade. Vivendo em cidades estrangeiras, o que nos distingue é o que nos permite sentirmo-nos em grupo, ligados por uma condição estranhamente paradoxal de atração e de repulsa.
Apregoa-se a liberdade, elogia-se a emancipação. Mas revisitam-se ou criam-se novos fantasmas que alimentam a áspera sensação de ameaça e medo do estranho.  Refazem-se fronteiras, nomeiam-se e exilam-se antigos e novos impuros. O sonho de pureza, de descontaminação dos eleitos, é revisitado sem cessar, devolvendo-nos, implacavelmente, o desconforto da derradeira e estranha reciprocidade». Saiba mais.
Ainda:

E da crítica de Helena Simões, no Jornal de Letras desta semana:

«(...) Sem dúvida, um apurado estudo teatral 
sobre a longa espera pela validação, legitimação,
 dignificação de existências humanas
 atormentadas pela necessidade de respeito,
 autenticidade e humanidade, num espectáculo
 que vivamente recomendamos». 

quinta-feira, 11 de abril de 2019

segunda-feira, 8 de abril de 2019

HOJE | CONFERÊNCIA | «Sustainable Europe 2030» | BRUXELAS


Veja aqui

«About the Conference

Delivering on sustainable development is about more than ticking the boxes of the 17 Sustainable Development Goals (SDGs). Taking the EU and the world on a sustainable path requires a change of perspective, turning risks into opportunities, and rethinking some of the key systems that underpin the way we live and work.
Where does Europe stand and what are the key challenges and paradoxes it faces? What are best practices and areas for improvement? Which policies and initiatives are already delivering and where is further action required to implement a shift to a more sustainable socio-economic model?
The Conference will take place on Monday, 8 April 2019, from 09h00 to 17h00, in the Charlemagne Building, 170, rue de la Loi, Brussels. It follows the publication of the recent European Commission Reflection Paper ‘Towards a Sustainable Europe by 2030’, and will gather leading experts from around the world to discuss how to best translate the United Nations’ Sustainable Development Goals at European level». 

«Não Corte o Futuro!»




Veja aqui

“Não corte o futuro!” é o mote da campanha lançada a 5 de abril, nos aeroportos de Faro, Lisboa e Porto, com o objetivo de alertar para as consequências da mutilação genital feminina (MGF) no bem-estar de meninas e mulheres, entre as quais se incluem graves repercussões ao nível da saúde física e psicológica. Continue a ler no site da CIG



sexta-feira, 5 de abril de 2019

GRAÇA MORAIS | «Metamorfoses da Humanidade» | MUSEU NACIONAL DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO CHIADO | LISBOA





METAMORFOSES DA HUMANIDADE
2019-03-22
2019-06-02

«Um conjunto de mais de oito dezenas de desenhos e pintura sobre papel compõe a exposição Metamorfoses da Humanidade, da pintora Graça Morais.  Refletindo sobre as múltiplas faces da natureza humana, com as suas fragilidades e as suas aterrorizadoras atitudes predatórias, estes desenhos recentes de Graça Morais (realizados em 2018) oferecem-nos, como num espelho quebrado, os múltiplos reflexos dos nossos muitos medos quotidianos: a guerra, a exclusão, a perda absoluta, a fome, a morte. Em cada um dos trabalhos apresentados, como se em pequenos pedaços de um mundo estilhaçado, reconhecemos emoções que nos são íntimas. A voragem, a capacidade de destruir, a vontade de recusar ao outro a sua humanidade e dignidade, ou o desejo de domínio — tudo isso lá está. Mas não apenas isso. À parte o sofrimento das vítimas, também aí representadas, na sua silenciosa e derradeira resistência, na sua resiliente exigência de dignidade, desponta nestes trabalhos o teimoso caminho para a esperança. A empatia pelas vítimas, a capacidade de dar voz a quem a não tem, sente-se e ouve-se nestes trabalhos que mostram, como com uma lupa, as grandes tensões do nosso tempo, condensadas em imagens perturbadoras e tocantes». Saiba mais.