quinta-feira, 21 de março de 2019

MANUEL DA SILVA RAMOS | «Os Três Seios de Novélia»





«Cinquenta anos após a edição do romance, que recebeu, em 1968, o Prémio de Novelística Almeida Garrett, a Parsifal publica uma “edição comemorativa, em capa dura e profusamente ilustrada pelo pintor António Carmo, de uma das mais vanguardistas e singulares obras de ficção portuguesas das últimas décadas e cuja modernidade se mantém completamente atual”.
A nova edição conta com um “Manual do Silva Ramos”, que a editora apresenta como um “elucidário pessoal politicamente pouco correto”.
Manuel da Silva Ramos, de 71 anos, estudou Direito na Universidade de Lisboa, mas teve de se exilar em França por razões políticas. Aos 21 anos venceu o Prémio de Novelística Almeida Garrett, instituído pela Editorial Inova e pela Portugália Editora, precisamente com “Os Três Seios de Novélia”».

.
.   .
SINOPSE (Tirada daqui)

Prémio de Novelística Almeida Garrett de 1968.
Os Três Seios de Novélia é um pequeno romance de amor irreal onde a rumorejante solidão de um jovem escritor o força a procurar a mulher alquímica, sua secreta nostalgia. É também uma descoberta de Lisboa, com os seus cafés, praças, ruas, avenidas, onde a promessa de qualquer mulher compensará o reles quotidiano. Esta invenção de uma mulher clara que existia efectivamente nas ruas de Lisboa de 1968, e continua a existir, é também o triunfo da literatura. Um Longo Nascimento, o segundo texto do livro, é um pequeno diário de uma infância e adolescência felizes na província onde a alfaiataria dos pais, lagartos ao sol, primas, faces de meninas prémenstruadas, cântaros defenestrados na última noite do ano, livros, escritores mortos, se amontoam para glorificar uma vida ainda fugitiva de criador. A Respiração é o atelier em brasa do artista. A sua imaginação mais desabrida, delirante. Estamos aqui no interior do vulcão da imaginação.
E o final «Sermão de Santo António aos Astronautas» é a cereja em cima do bolo ardente.
Manuel da Silva Ramos tinha 20 anos quando escreveu Os Três Seios de Novélia.

Sem comentários:

Publicar um comentário